Privilégio Único

Às vezes quando fico comigo mesmo penso no meu trabalho e dou graças a Deus. Passei dezembro selecionado pinturas de Aldemir Martins. Não é qualquer um que tem esse privilégio. Ter l44 telas a minha frente é um deslumbre único. Ao vê-las penso no percurso de Aldemir, no meu e encontro várias semelhanças. O establishment nunca nos engoliu. No máximo nos suportou. Mas, aceitar, reconhecer, jamais.

Para a esquerda burra, para o partidão, nossa independência sempre incomodou. Nunca fomos meninos de recado de ninguém. Aldemir em nenhum momento fez da miséria do nordeste panfleto político.

Eu nos jornais que editei, artes:, Villaboim News, Madalena, sempre mantive a política de direita e de esquerda a distância. Isso não me impediu de fazer na 10ª Bienal Internacional de São Paulo, a 1ª Exposição de Oscar Niemeyer. Oscar está acima da mesquinhez partidária. Não faz parte da geléia geral.

Sinto-me realmente um privilegiado separando pinturas de Aldemir, selecionando textos, diagramando, paginando, escolhendo fotos, escrevendo, coordenando as entrevistas da edição especial de artes:, Aldemir de A a Z.

Esta será a primeira de uma série de doze edições denominada de A a Z. Estou em contato com vários artistas e espero ter os nomes dos que irei focalizar em breve. Então, divulgarei. É claro que há um livro no fim do percurso. Poderia ser melhor?


CVS 7 de janeiro de 2002. 23, 55 horas.